Série Azure – Portal Clássico e Novo Portal do Azure

Olá pessoal,

Neste post vamos analisar os aspectos relacionados ao portal clássico e o novo portal do Azure. Boa leitura!

O que é o Portal Clássico do Azure?

Você pode ouvir falar no modelo de implantação clássico (Portal Clássico) como modelo de gerenciamento de serviços.

No Azure Service Management, os recursos de computação, armazenamento ou rede para hospedar máquinas virtuais são fornecidos da seguinte forma:
• Um serviço em nuvem necessário que atua como um contêiner para hospedar máquinas virtuais (computação). As máquinas virtuais são fornecidas automaticamente com uma placa de interface de rede (NIC) e um endereço IP atribuído pelo Azure. Além disso, o serviço em nuvem contém uma instância externa de balanceamento de carga, um endereço IP público e pontos de extremidade padrão para permitir a área de trabalho remota e o tráfego remoto do PowerShell para máquinas virtuais baseadas no Windows e tráfego SSH (Secure Shell) para máquinas virtuais baseadas no Linux.
• Uma conta de armazenamento necessária que armazena os VHDs para uma máquina virtual, incluindo o sistema operacional, temporários e discos de dados adicionais (armazenamento).
• Uma rede virtual opcional que funciona como um contêiner adicional, no qual você pode criar uma estrutura sub-rede e designar a sub-rede na qual a máquina virtual está localizada (rede).

Como são criados recursos no método clássico?

Os recursos criados no modelo de implementação clássico podem ser criados de várias maneiras diferentes.
• Via Portal clássico:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ou, no novo portal do Azure, você pode especificar a implantação Clássica (para Computação, Armazenamento e Rede).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o novo portal do Azure? Pontos principais…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Administração Simplificada e Unificada

O novo portal do Azure reúne todos os diferentes recursos de nuvem em um console personalizável chamado Hub, de onde você pode gerenciar e controlar todos os seus recursos. Isso inclui aplicativos da Web, bancos de dados, máquinas virtuais, redes virtuais, armazenamento e muito mais. Para as equipes de desenvolvimento de software, ele fornece um repositório onde podem gerenciar todo o ciclo de vida do DevOps: verificação de código, teste, criação e implantação de um aplicativo ou serviço para a nuvem.
Controle de acesso baseado em funções

Acesso baseado em funções é integrado nativamente na plataforma de gerenciamento e você pode usá-lo para atribuir direitos de gerenciamento e acesso explícitos a indivíduos e grupos. Você pode configurá-lo nos níveis de assinatura, serviço e operações, dando-lhe um grau preciso de controle sobre quem pode acessar ou gerenciar o que.

Gerenciador de recursos (Resource Manager)

No portal Azure, você pode gerenciar os componentes do aplicativo, como uma máquina virtual, uma conta de armazenamento, uma rede virtual ou um banco de dados como grupos de recursos. Os grupos de recursos são contêineres e fazem parte do modelo de implantação do Azure Resource Manager. Usando modelos, você pode implantar, atualizar ou excluir todos os seus recursos em uma única ação coordenada ou conjunto de ações. Esse modelo de implantação difere da abordagem de implantação clássica anterior, em que os recursos existiam de forma independente, dificultando o gerenciamento e a coordenação de vários recursos.

Por enquanto é só, mas como esta é uma série, novos assuntos serão abordados.

Obrigado pelo tempo e dúvidas só comentar! Abraços!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: